Vacina experimental contra HIV protege macacos e se mostra segura para humanos

thumb (1)Pesquisadores anunciaram neste sábado que testaram uma vacina experimental contra o HIV, que provocou uma reação imunológica em humanos e protegeu macacos da infecção. O desenvolvimento desta vacina potencial, segura para o homem, está avançado o suficiente para que ela seja testada em 2,6 mil mulheres na África Meridional.

“Estes resultados representam uma etapa importante” para a criação de uma vacina, ressaltou o diretor do estudo, o virologista Dan Barouch, em um comunicado na revista médica The Lancet. No entanto, advertiu que não há nenhuma garantia de que os próximos testes sejam positivos. “Devemos ser prudentes”, declarou.

Dois terços dos macacos-rhesus que foram submetidos ao tratamento ficaram protegidos pela vacina nos testes de laboratório. Os resultados dos testes mais amplos são esperados para 2021 ou 2022. Trata-se do “quinto conceito de vacina” contra o HIV testado em 35 anos, conforme Barouch.

Outra substância pesquisada, chamada RV144, demonstrou que protegia o homem do HIV até certo ponto. Em 2009, um estudo indicou ter reduzido em 31,2% o risco de infecção de 16 mil voluntários na Tailândia. O estudo publicado no sábado foi realizado com 393 adultos em bom estado de saúde, soronegativos, de entre 18 e 50 anos na África Oriental, África Meridional, Tailândia e Estados Unidos. Alguns deles receberam um placebo.

Os testes mostraram a inocuidade (não contaminaram o receptor com a doença) do combinado vacinal, que incluía diferentes tipos de vírus HIV. Cinco participantes tiveram efeitos indesejados como diarreia ou tonturas. Estas mesmas vacinas protegeram dois terços dos 72 macacos que os pesquisadores trataram após inocular o vírus.

“Necessitamos tanto de uma vacina”, disse François Venter da universidade de Witwatersrand (África do Sul). Mas “já conhecemos isto: vacinas experimentais promissoras que não se concretizam”. “Provavelmente não é a vacina definitiva, mas pode ser um avanço fenomenal”, projetou o francês Jean-Daniel Lelièvre, do Instituto de Pesquisa de Vacinas. “No melhor dos casos” estas pesquisas produzirão uma vacina administrável dentro de “quase 10 anos”.

Cerca de 37 milhões de pessoas vivem com o HIV ou a aids, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), e 1,8 milhão de pessoas o contraem todos os anos. A doença matou cerca de 35 milhões dos 80 milhões que infectou desde que foi diagnosticada pela primeira vez, nos anos 1980.

Apesar dos avanços da medicina na prevenção e tratamento da doença, os pesquisadores insistem nas medidas que devem ser tomadas para não se infectar: proteção durante as relações sexuais, uso de seringas novas, esterilização do material médico, etc.

 

CORREIO DO POVO

Deixe uma resposta