13872554_10153966840458422_1022008270_nO período de pesca artesanal da tainha em 2016 começou no início de maio nas regiões Sul e Sudeste. Já a liberação para captura dessa espécie por embarcações motorizadas teve início em 15 de maio. A temporada para as duas modalidades vai até 31 de julho. Segundo o presidente da Federação dos Pescadores do Estado de Santa Catarina (Fepesc), Ivo Silva, a atividade conta com mais de 30 mil trabalhadores diretos e indiretos. A pesca de arrasto de praia Uma das modalidades artesanais – é centenária. Nela, os pescadores lançam uma rede ao mar, às vezes com auxílio de uma canoa, para depois puxá-la com a ajuda de vários homens. A rede pode medir de 100 a 600 metros de comprimento, com altura no centro entre 6 a 20 metros e extremidades de 2 a 10 metros de altura. Segundo Ivo, a temporada de tainha garante a renda dos pescadores. Em 2015, foram capturadas mais de 1,3 mil toneladas. “Historicamente, os pescadores confiam na safra de tainha. Quando há falha na safra de outras espécies, a tainha compensa e complementa a renda. Eles costumam dizer que nesse período recebem o ‘décimo-terceiro salário”. A pesca da tainha nas regiões Sudeste e Sul foi regulamentada pela Portaria Interministerial nº 4, de 14 de maio de 2015, pelo extinto Ministério da Pesca e Aquicultura, incorporado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento este ano. E dia 29 de julho é o Dia de São Pedro, o santo padroeiro dos pescadores e também Dia do Pescador. Segundo a história, o santo da Igreja Católica era pescador e foi escolhido por Jesus para ser “pescador de homens”, ou seja, buscar vocações.