Aumento da energia elétrica pode superar 25% no Rio Grande do Sul em 2017

Resultado de imagem para energia eletrica

Depois da forte alta em 2015 e de um certo alívio em 2016, ganham força as previsões de que a tarifa de energia elétrica ficará mais cara mesmo em 2017. E em 2018 também. A pedido da Rádio Gaúcha e blog Acerto de Conta$, a TR Soluções fez projeções para as distribuidoras do Rio Grande do Sul.

Para CEEE, o consultor Paulo Steele prevê reajuste de 25,41% em 2017. Para 2018, aumento médio previsto de 6,5% na energia.

– Basicamente, toda essa elevação em 2017 para a CEEE é explicada pelas elevações dos custos com transmissão, que é o impacto da indenização.

Como tem reajuste no segundo semestre, a CEEE terá certamente o impacto do custo que aumenta em julho de 2017. Já a RGE e a RGE Sul (antiga AES Sul), ambas da CPFL, têm reajuste em junho e em abril, respectivamente.

Aí, Steele explica que os reajustes vão depender do resultado de uma audiência pública que está em andamento e que estabelece que a Agência Nacional de Energia Elétrica pode antecipar o repasse de custos para os reajustes.

– Em 2017, temos ao menos uma elevação excepcional. O custo relacionado ao sistema de Transmissão de Energia deve ter uma elevação de cerca de 300% em julho.

Então, se a Aneel antecipar essas elevações de custo para RGE e RGE Sul, os reajustes serão maiores em 2017 também para estas distribuidoras.

– Nossa expectativa são de reajustes para os consumidores em baixa tensão de 3% para clientes da RGE Sul e 9% para a RGE em 2017. No entanto, para 2018, teríamos para os consumidores em baixa tensão de -0,5% para a RGE Sul e +0,6% para a RGE.

Mas se a Aneel não antecipar, o acumulado de dois anos ficará ainda mais pesado para o consumidor.

– Se a Aneel não antecipar, os reajustes para os consumidores em baixa tensão devem ser de -7% para a RGE Sul e +0,5% para a RGE em 2017. Só que, para 2018, teríamos para os consumidores em baixa tensão +20% para a RGE Sul e +16% para a RGE.

RGE Sul e RGE não serão tão impactadas em 2017 por essa alta nos custos com a transmissão devido à queda de 25% de um encargo setorial, a Conta de Desenvolvimento Energético (CDE). CEEE já repassou parte desta redução.

Previsão da Aneel divulgada pelas agências de notícias nesta terça-feira aponta que indenização a transmissoras pode causar alta média de 9% nas tarifas de energia elétrica em 2017. Entre 2017 e 2024, consumidores terão que pagar cerca de R$ 65 bilhões pela conta de luz.

É dinheiro que o governo deve às concessionárias de transmissão de energia. Serve para compensar investimentos feitos nas linhas de transmissão antes de 2000, mas que ainda não tinham sido totalmente pagos via tarifa. O pagamento tinha que ter começado em 2013, mas foi atrasado e, então, R$ 35 bilhões referem-se à atualização do valor. Têm direito concessionárias que aceitaram renovar concessões em 2012 dentro do plano lançado por Dilma Rousseff para baratear as contas de luz.


There is no ads to display, Please add some