GOVERNADORES deveriam, no momento em que foi decretado o Estado de Emergência Nacional em 4 de fevereiro pelo presidente Bolsonaro, tem implementado a regras de higienização e uso de máscaras, aproveitando o Carnaval para disseminar a ideia e a criatividade do folião brasileiro diante do quadro de pandemia que estava por vir. Como estava-se no verão esta medida simples teria evitado a quarentena e a paralisação da economia. Um erro político orquestrado pelo governador Dória de São Paulo e Witzel do Rio de Janeiro. Este descaso com o decreto presidencial hoje coloca os dois estados em crise da doença. Manipularam o povo, a política e agora os recursos para salvarem seus governos da enorme dívida para com a União. Assim conseguiram estancar a dívida, ganhar dinheiro do governo federal e a falsa popularidade ocasionando centenas de casos da doença. Uma irresponsabilidade que terá um preço elevado. Mandetta ofuscado com os holofotes da mídia esqueceu do básico, dando razão ao ex-ministro Osmar Terra e ao que o presidente Bolsonaro buscava dizer, sem ter sido entendido.

PREFEITO Abrahão tem sido respaldado nas decisões de flexibilização dos decretos da quarentena com entidades e representantes dos setores produtivos da cidade. Em reuniões com os representantes dos segmentos econômicos todos os aspectos são analisados para quando liberados, tenham as devidas medidas de prevenção a serem praticadas para o funcionamento. Foi assim que as lojas, profissionais liberais, ambulantes, restaurantes e outros forma aos poucos autorizados ao funcionamento. O importante é que a população entenda que as medidas de prevenção são necessárias e precisam ser assimiladas integrando o cotidiano da cidade.

EX-MINISTRO Sérgio Moro ao que tudo indica, fez o que haviam feito com ele pelo Intercept. Uma face oculta dele e da esposa começa a ser veiculada nas redes sociais mostrando tendência política e ligações fortes com PSDB e apoio da Rede Globo. Moro passou todos os dias de seu mandato gravando e armazenando mensagens do chefe para depois dar um bote e poder rodopiar como bailarina ao final do espetáculo. Esqueceu que quando Juiz tinha poder de ordenar, mas agora igualou-se aos seus réus e responderá com a defesa dos advogados que tanto ouviu nas oitivas das suas audiências da Lava Jato. Só falta se fazer de louco como o Adélio Bispo para esconder o crime contra a nação brasileira buscando depor o presidente Bolsonaro como se tivesse desferido uma segunda facada.