USO obrigatório de máscara que está sendo exigido pelas autoridades deveria ter sido a primeira medida a ser tomada, somadas ao distanciamento e higienização como o ex-ministro e ex-secretário da Saúde Osmar Terra sempre defendeu. O fechamento do comércio foi remédio forte demais para a população e para a economia das cidades que agora não se vislumbra a solução pelos prefeitos e governadores que decidiram quebrar seus municípios.

MINISTRO Mandetta agiu por impulso e pela visibilidade ganha com a mídia gratuita. Com fortes ambições políticas em seu estado, Mato Grosso do Sul, quis se sobrepujar à credibilidade do presidente, aproveitando a mídia de esquerda. Imaginaram que o presidente não teria suas fontes de inteligência para lhe informar corretamente o que se passava nos bastidores políticos e também científicos. Passaram a considerar a OMS como a nova gerência do país para justificar o injustificável fechamento das empresas o isolamento das pessoas dentro de seus lares. Será que imaginavam que as pessoas não comeriam, não usariam celular e somente ficariam à mercê da mídia terrorista? Perderam todos e, novamente a população ficou exposta a estes incautos.

EX-MINISTRO Sérgio Moro realmente deixou de ser Juiz com a atitude tomada em sua renúncia ao cargo. O pior é que reforça a tese do Intercept sobre haver gravações de conversas (talvez tenham ido manipuladas) com os promotores da Lava Jato, mas talvez com o intuito de colocar os promotores na situação em que tentou deixar o presidente Bolsonaro. Moro agiu como mau caráter tentando colocar o presidente em xeque, mas escondendo suas intenções descobertas pela ABIN e repassadas ao presidente. Ex-ministro transformou a República de Curitiba em Ministério de Curitiba e pela sua inoperância como ministro. Moro foi um fracasso na pasta, demonstrando que a soberba do poder como juiz federal lhe transformou numa máquina de leis, mas não de um chefe a administrar uma pasta de tamanha importância.