REDUÇÃO dos preços dos combustíveis realizados pela Petrobrás somente agora começam a se confirmar nas bombas dos postos de gasolina. A Petrobras reduziu os preços em mais de 50% em março e abril e nas bombas somente na segunda quinzena começaram a surgir os preços menores. A culpa pela demora na baixa dos preços está na forma do governo do estado do Rio Grande do Sul cobrar o ICMS tabelando por 15 dias pelo preço médio. Como os preços estão em queda livre o consumidor está conseguindo ver a redução. Do contrário na primeira subida o consumidor nem tomaria conhecimento da redução.

ICMS dos combustíveis poderia ser atualizado diariamente ou semanalmente ou a cada redução/aumento de preço pela refinaria. No entanto o Estado prefere arrecadar mais tirando do consumidor a redução do preço. Atualmente com sistemas informatizados não haveria necessidade alguma de espera de 15 dias. Mas só de pensar que antes era a cada 30 dias já melhorou em muito. Mas poderia ser semanalmente.

PRAÇA da Catedral voltou a ter movimentação a noite com o afrouxamento da quarentena na cidade. No feriadão já estavam praticamente todos ambulantes que trabalhavam no entorno da praça conseguindo comercializar seus produtos, observando as regras de higienização, distanciamento e o uso de máscaras.

UTI de Osório teve seu primeiro paciente na segunda à noite, oriundo da cidade de Ivoti por orientação da central de leitos do governo do Estado. Este importante setor do nosso hospital foi rapidamente instalado em decorrência da possível demanda por pacientes contaminados com o Covid-19. Como há carência de leitos de UTI no Estado para atender pacientes de várias situações que exigem internação o Hospital São Vicente passa a ser uma opção ao sistema de saúde para vários municípios da região metropolitana, Serra e principalmente do litoral. O que se espera é que o governo entenda da necessidade de manter os 10 leitos de Osório, uma vez que todos os equipamentos são locados pelo Ministério da Saúde por 90 dias renováveis por mais 90 dias.