A elevação da temperatura provocou um aumento no fluxo da BR-290 (Freeway) rumo ao Litoral Norte, durante todo o final de semana, mesmo com a região permanecendo na bandeira vermelha no mapa da 11ª rodada do Distanciamento Controlado para conter o avanço da pandemia do novo coronavírus no Estado. Na manhã do sábado (18), a concessionária CCR Viasul registrou a passagem de aproximadamente 3,6 mil veículos na praça de pedágio de Santo Antônio da Patrulha em direção às praias.

No mesmo período dos sábados anteriores deste mês, a concessionária da rodovia havia registrado em torno de 2,6 mil no dia 11 e aproximadamente 3,2 mil no último dia quatro desse mês. O 2° Batalhão de Policiamento de Áreas Turísticas (2°BPAT) da Brigada Militar fez uma estimativa extraoficial de que cerca de 80% das casas de veranistas estavam ocupadas neste sábado em todo o Litoral Norte.

O presidente da Associação de Municípios do Litoral Norte (Amlinorte) e prefeito de Imbé, Pierre Emerim da Rosa, fez um desabafo. Ele contou que ficou “horrorizado” ao ver o movimento nas rodovias desde a noite de sexta-feira (17) até o final de domingo (19).

“Não imaginava que depois de tanta recomendação e informação as pessoas pudessem novamente se dirigir em massa ao Litoral Norte. A Freeway lotada, com pessoas vindas especialmente da Região Metropolitana, e nós vivendo esses caos”, lamentou. “Este movimento de final de semana parece àqueles de dezembro, de pré-verão…”, comparou.  “Porto Alegre tem mais restrições e as pessoas acabam migrando para o Litoral por causa disso”, avaliou o presidente da Amlinorte.

Perigo iminente

Para o prefeito de Imbé, o “perigo é iminente”. Pierre lembrou que muitas pessoas são assintomáticas e não sabem que tem o novo coronavírus. “Elas acabam indo de uma forma ou outra indo no supermercado ou no restaurante para pegar comida. Os mercados estão lotados…parece mesmo pré-verão”, enfatizou, citando ainda o movimento na barra e na beira-mar. “A situação está bem complicada embora os municípios estejam fiscalizando e orientando”, observou. Emerim ainda complementou: “(As pessoas) não estão cumprindo com as regras de distanciamento social e protocolos sanitários. No final nós vamos pagar caro por esse preço”, enfatizou Pierre Emerim.

FOTO: Alina Souza