Um grupo de criminosos atacou duas agências bancárias e atirou contra a Brigada Militar de Parobé, no Vale do Paranhana, na madrugada desta terça-feira. Os alvos foram o Banco do Brasil e o Banrisul, que ficam a poucas quadras da sede da BM, na Rua Vera Cruz, no centro da cidade.

Três brigadianos estavam de plantão no momento do ataque. Segundo os policiais, o grupo de criminosos era composto por cerca de 10 pessoas, que utilizaram de diferentes armas, entre fuzil, pistola, espingarda e revólver, para atacar agências e intimidar o efetivo. Ninguém ficou ferido.

Os policiais haviam acabado de chegar de uma ocorrência quando, por volta das 3h20, ouviram uma forte explosão — o quartel fica a cerca de 200 metros do Banco do Brasil, primeiro alvo dos criminosos. Quando se deslocavam para averiguar o que estava acontecendo, os PMs foram interceptados por criminosos que efetuaram disparos em direção à guarnição. Ninguém ficou ferido e a viatura não foi atingida, mas os brigadianos tiveram de recuar e buscar uma rota alternativa para chegar ao centro da cidade. Pelo segundo acesso, eles foram novamente foram alvejados por disparos, agora de fuzis.

Passados alguns minutos, as viaturas conseguiram chegar ao local da ocorrência. Para dificultar o acesso dos carros da BM, os bandidos espalharam miguelitos (pregos retorcidos) pelas ruas do centro da cidade (foto abaixo). Cápsulas de fuzis 556 e 762, de pistolas .40 e 380 e 9mm, e espingarda calibre 12 foram encontradas pelos policiais.

Pelo menos três caixas eletrônicos do Banco do Brasil foram explodidos no ataque. O prédio também sofreu danos com a explosão. A agência do Banrisul foi atingida com tiros, mas não chegou a ser assaltada. A BM ainda não tem informação sobre o valor roubado.

Um comerciário que mora em frente à agencia do Banco do Brasil acordou com a barulhos e teve certeza de que era mais um ataque de assaltantes quando ouviu a explosão. Como é o terceiro ataque ao terceiro banco (todos na mesma rua) em menos de um ano, conforme ele lembra, os explosivos não foram “tão horríveis”:

“O pior de tudo foi o tiroteio. Enquanto uns deles estavam dentro do banco pegando dinheiro, outros estavam tiroteando na rua. Quando fugiram, seguiram atirando. Foi de 40 a 50 tiros. Foi violento mesmo”, conta o morador, que prefere não se identificar.

Fuga e carro carbonizado

Os criminosos fugiram em três carros, um Idea, um Siena e um Golf. Eles seguiram pela ERS-230 em direção a Taquara e depois pegaram a ERS-020 para Gravataí. No trajeto, eles abandonaram o Idea e o Golf em uma estrada vicinal e atearam fogo nos veículos. O Golf ficou completamente destruído. A BM acredita que eles tenham sido resgatados por outro carro.

Policiais de São Leopoldo, Igrejinha e Sapiranga foram deslocados para reforçar as buscas dos criminosos. Os agentes acreditam que o grupo estivesse usando radiocomunicadores com a frequência da polícia, já que fugiram antes do reforço chegar com efetivos dos municípios da região.

Até as 8h30, ninguém havia sido preso. A Delegacia de Roubos do Departamento de Investigações Criminais (Deic) deve investigar o caso.

GAÚCHA E ZERO HORA