Além do salário dos servidores, outro setor afetado pela falta de dinheiro do governo do Rio Grande do Sul é a saúde pública. Já são mais de R$ 212 milhões em dívidas com as santas casas e hospitais beneficentes e filantrópicos do estado. Após uma reunião na manhã desta segunda-feira (24) no Palácio Piratini, o governador José Ivo Sartori autorizou a abertura de linhas de crédito junto às instituições financeiras. Os 245 hospitais filantrópicos devem estar com os recursos em caixa em até 40 dias, segundo o secretário da Saúde, João Gabbardo dos Reis.

“São em torno de R$ 210 milhões que vamos garantir às instituições bancárias o pagamento por conta da Secretaria da Saúde”, afirmou Gabbardo em entrevista ao Jornal do Almoço (veja o vídeo acima).

De acordo com o secretário, os hospitais devem contratar o empréstimo com juros subsidiados, aos mesmos praticados pelo Fundo de Apoio Financeiro e de Recuperação dos Hospitais Privados, sem fins lucrativos e Hospitais Públicos (Funafir), e o estado garante o pagamento. A quitação do financiamento será em 36 parcelas – de janeiro de 2016 a dezembro de 2018. O estado criará um incentivo para cobrir o custo do financiamento.

“Vamos criar um incentivo a ser repassado a cada hospital correspondente ao valor de cada financiamento. De maneira que o hospital possa receber de forma antecipada tudo aquilo que está sendo devido. E o estado vai pagar em 36 parcelas”, explicou.

O presidente da presidente da Federação das Santas Casas e Hospitais Filatrópicos, Francisco Ferrer, disse que a medida vai ajudar a “amenizar” a crise nos hospitais. “Nós temos uma avaliação extremamente positiva dessa reunião com o governo do Estado, com o governador, com o secretário Gabbardo. Sem dúvida, vem ao encontro daqulo que os hospitais necessitam para minimizar a dificuldade financeira das instituições”, afirmou.

49142_G