A economia do Rio Grande do Sul caiu 3,1% em 2016. O fechamento do ano foi divulgado nesta terça-feira pela Fundação de Economia e Estatística.

Foi o terceiro ano consecutivo de queda no PIB gaúcho. Em 2015, o recuo foi de 3,4%. Portanto, houve uma desaceleração no recuo. Em 2014, o indicador foi negativo em 0,3%.

Com os três anos de queda, a FEE calcula uma retração acumulada de 6,7% na economia do Rio Grande do Sul. A última vez que houve queda em três anos consecutivos foi em 1980, 1981 e 1982, quando acumulou -3,8%.

Resultados por setor e a comparação com a média nacional em 2016:

grafico pib

Com queda de 4,5%, a agropecuária teve desempenho prejudicado pela queda nas safras de arroz, milho e fumo (-13,7%, -15,0% e -21,6% respectivamente).

A indústria teve queda de 3,9% em 2016. Os quatro segmentos contribuíram. O resultado mais negativo foi na indústria extrativa (-7,9%) e o menor foi na construção (-2,1%).

No caso do setor serviços, houve queda de 2,1%. A única atividade que apresentou desempenho positivo no ano foi a imobiliária, com crescimento de 1,1%. A maior queda foi observada em comércio e reparação de veículos (-5,3%).

Trimestre sobre o trimestre imediatamente anterior

No quarto trimestre de 2016, a taxa teve queda de 0,5%. A FEE faz o ajuste sazonal. A única atividade positiva foi a indústria (0,9%). A agropecuária caiu 8,0% e os serviços caíram 0,6%.

Trimestre sobre o mesmo trimestre de 2015

Já nesta comparação, o PIB do Rio Grande do Sul apresentou taxa negativa de 1,5%. A agropecuária gaúcha caiu 4,3%. A indústria teve retração de 1%. Já os serviços gaúchos reduziram-se em 1,7%.

– Houve uma sucessão de taxas trimestrais negativas, mas com uma redução dessas ao longo de 2016. Esse foi o quarto trimestre consecutivo em que a queda do PIB gaúcho foi menor que a verificada no trimestre anterior. O último resultado significativamente positivo no indicador trimestral ocorreu há 11 trimestres, no primeiro trimestre de 2014, quando houve crescimento de 3,6%. Esse desempenho dimensiona o quadro recessivo pelo qual passa a economia gaúcha. – observa o coordenador de contas regionais da FEE, Roberto Rocha.

PIB nominal: R$ 410,276 bilhões

PIB per capita: R$ 36.329

Economista-chefe da Farsul, Antônio da Luz lembra que a queda de 3,1% foi exatamente a prevista em dezembro pela entidade. No mesmo relatório, o economista projetou crescimento de 0,8% para a economia gaúcha em 2017.

– No nosso relatório, dizíamos que o Rio Grande do Sul tinha antecipado a crise. Ou seja, os setores aqui em 2015 caíram mais que Brasil. Sendo assim, em 2016 Brasil deveria cair mais.