As duas empresas vencedoras do processo licitatório para manutenção de trechos das BRs 116 e 290 (freeway) no Rio Grande do Sul devem ter seus contratos assinados até a próxima sexta-feira, e em seguida, começam os trabalhos nas rodovias. Aproximadamente R$ 8 milhões foram recebidos pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes no Rio Grande do Sul (Dnit-RS) para que os serviços sejam garantidos.
Os recursos, repassados por Brasília, no entanto, correspondem apenas a pouco menos da metade do que foi solicitado. A Superintendência do órgão no Estado informou que o pedido foi de R$ 17 milhões. A liberação, abaixo dos 50%, no entanto, é considerada necessária para dar início a manutenções necessárias em trechos rodoviários administrados pelo Dnit que, somados, ultrapassam os 5 mil quilômetros.
A expectativa é de conseguir garantir o serviço até que comecem os trabalhos da Rodovia de Integração do Sul (RIS), trecho que engloba as BRs 101, 386, 448 e 290. O leilão está marcado para 1º de novembro e a empresa vencedora deve começar a trabalhar em fevereiro de 2019. Até lá, se necessário, a Superintendência do Dnit-RS pretende buscar novas liberações junto à Brasília para não deixar os trechos desassistidos.
A assinatura dos contratos com as empresas vencedoras para garantir a manutenção e conservação da freeway deveria ter ocorrido ainda na primeira quinzena de setembro, mas a falta de repasses da União atrasou o processo. A Conpasul, de Eldorado do Sul, foi a vencedora para assumir o trecho que vai do quilômetro 276,50 ao 299,40, de Eldorado a Guaíba.
Já a Neovia, de Curitiba, foi selecionada para prestar serviços do quilômetro 0 ao 98,10 da freeway, entre Porto Alegre e Osório. Já faz dois meses e meio que os trechos das BRs estão sem nenhuma empresa admnistradora. No dia 3 de julho, o vínculo de 21 anos da Triunfo Concepa foi encerrado e, desde então, as cancelas dos pedágios foram abertas.

There is no ads to display, Please add some