A Fundação Telefônica Vivo, o governo do Estado, junto com as ONGs Gerando Falcões e Parceiros Voluntários, constituíram uma rede colaborativa que beneficiará 1.667 famílias de alunos de escolas públicas das séries iniciais do Ensino Fundamental da rede estadual (do 1º ao 5º ano) que não recebem bolsa família e encontram-se em situação de vulnerabilidade social. Cada uma ganhará um auxílio alimentação de R$ 100, durante três meses. Essa ação totalizará mais de R$ 500 mil, doados integralmente pela Fundação Telefônica Vivo.

O governo gaúcho mobilizou as secretarias de Planejamento, Governança e Gestão (SPGG), da Educação (Seduc) e de Trabalho e Assistência Social (Stas) para colaborar com o projeto. “Ações como essa representam a razão de ser do serviço público. Nosso time se envolveu para organizar as doações, mas o grande mérito é das entidades parceiras”, afirmou a titular adjunta da SPGG, Izabel Matte, no ato realizado na última quinta-feira (3) para formalização do projeto. Também estiveram presentes os titulares da Seduc, Faisal Karam, e da Stas, Regina Becker, além da gerente de Relações Institucionais da Fundação Telefônica Vivo, Laiana Elisa de Souza, e o presidente da ONG Parceiros Voluntários, Daniel Santoro.

O valor de R$ 500 mil faz parte do montante de R$ 16,3 milhões doados pela instituição para iniciativas de combate aos efeitos do novo coronavírus no Brasil nas áreas de saúde e segurança alimentar. As famílias beneficiadas foram selecionada pela Seduc com base na análise dos dados do cadastro único para projetos sociais, o CadÚnico. Para efetuar as entregas dos vouchers de alimentação, o Estado conta com o suporte das Coordenadorias Regionais de Educação (CREs) e das unidades da ONG Parceiros Voluntários, distribuídas pelo Estado.

As primeiras entregas começaram ainda em agosto. A meta é que, até essa quinta-feira (10), todas as famílias contempladas já estejam de posse de seus cartões alimentação. Para garantir transparência na prestação de contas, assim como agilidade na distribuição, é utilizado um sistema denominado “Cesta Básica Digital”, concebido pela ONG Gerando Falcões em parceria com a Accenture, que entrou com o apoio tecnológico, e com a Ticket Alimentação, responsável pela fabricação dos cartões, personalização, envelopamento e logística de distribuição, entre outros esforços.

OUTROS PROJETOS

Outros importantes projetos sociais estão em andamento na Stas. Um deles é o Programa RS Trabalho, Emprego e Renda (RS TER), política público-privada com foco na geração de trabalho, emprego e renda por meio do fomento ao empreendedorismo e à criação ou sustentabilidade de negócios embrionários, MEIs, micro e pequenas empresas. “Estamos fechando parceria com instituições de crédito para atender aos pequenos empreendedores do Estado, possibilitando o enfrentamento sobretudo do pós-pandemia”, frisou a secretária Regina.

Há, ainda, um projeto prioritário realizado em parceria com entidades sociais para atender a população em situação de rua por meio do Fundo Estadual de Apoio à Inclusão Produtiva (Feaip).

FOTO: Felipe Farias