17867013O comando da 46ª Operação Golfinho contabilizou na manhã desta quinta-feira (7) problemas com guaritas queimadas e pichadas em Capão da Canoa e Imbé, no Litoral Norte do Rio Grande do Sul. Em Capão, a guarita 70 foi incendiada e em Imbé, pelo menos dez guaritas foram pichadas.

Além disso, nesta semana, a guarita 102 de Rainha do Mar, em Xangri-lá, também foi alvo de incêndio. Em levantamento divulgado hoje pela Brigada Militar (BM), mais de 70 guaritas, de um total de 329, passam por manutenção ou foram alvo de vandalismo.

Litoral Norte
O comando está agilizando principalmente o conserto da guarita 70, já que é o local com maior movimento de banhistas. Contatos estão sendo feitos com a prefeitura de Capão da Canoa.

Em Imbé, mais de dez postos, pelo menos 30% do total, amanheceram pichados e agora está se providenciando a pintura. Segundo levantamento, do total de 228 guaritas, duas estão desativadas, 64 em manutenção (mas seguem ativadas) e nove não foram instaladas devido a planejamento estratégico. São pontos com área de surf, pesca ou com pouco movimento de banhistas.

Litoral Sul
Das 30 guaritas, todas estão em condições.

Águas Internas
A BM informa que é a área mais crítica. Do total de 71 guaritas, duas estão desativadas por não terem condições de serem usadas e não houve reforma por parte das prefeituras, além de 17 postos estarem sem condições de uso por terem sido atingidas por enchentes.

Salva-vidas
O comando informou que, devido a folgas, algumas guaritas mais distantes e com pouco movimento de banhistas não estão sendo utilizadas de segunda a quinta, mesmo no Litoral Norte. Nas sextas, finais de semana e feriados, todo o efetivo de 1,1 mil servidores atua.

Também houve neste mês o reforço de 43 temporários e outros 50 estão em curso. Se aprovados, em 20 dias estarão aptos para atuarem.

GAÚCHA