A proliferação do novo coronavírus segue aumentando em todo o Estado. Já não bastassem quatro regiões apresentarem bandeira vermelha no Distanciamento Controlado na semana passada, segundo o novo Boletim divulgado pelo governador Eduardo Leite, no final da última sexta-feira (26), outras cinco regiões apresentam alto risco de proliferação da Covid-19.

Além de Capão da Canoa, seguem em bandeira vermelha as regiões de Canoas, Novo Hamburgo e Porto Alegre. As cinco regiões que entraram na bandeira vermelha são: Caxias do Sul, Erechim, Palmeira das Missões, Passo Fundo e Santo Ângelo. Apenas duas regiões apresentaram bandeira amarela (risco baixo): Bagé e Taquara. As outras nove regiões (Santa Maria, Uruguaiana, Cruz Alta, Ijuí, Santa Rosa, Pelotas, Cachoeira do Sul, Santa Cruz do Sul e Lajeado) estão em bandeira laranja (risco médio). Felizmente, até o momento nenhuma região apresentou a bandeira preta (risco altíssimo).

Com isso, as atividades econômicas nos 23 municípios do Litoral Norte devem permanecer restritas durante as próximas duas semanas pelo menos. Entretanto, o Decreto Estadual no55.322 permite que municípios sob bandeira vermelha sem registro de hospitalização e óbito por Covid-19 de algum morador nos últimos 14 dias e que mantenham rigorosamente atualizados os registros nos sistemas oficiais poderão adotar, por meio de regulamento próprio, protocolos para as atividades previstas na bandeira laranja. No mapa preliminar da 8ª semana, de um total de 301 municípios abrangidos pela bandeira vermelha, 185 poderão adotar protocolos previstos na classificação laranja, incluindo Arroio do Sal, Balneário Pinhal, Capivari do Sul, Dom Pedro de Alcântara, Itati, Mampituba, Morrinhos do Sul, Mostardas, Palmares do Sul, Tavares e Três Forquilhas.

CAPÃO DA CANOA

Também sob efeito do agravamento na macrorregião Metropolitana, a região de Capão da Canoa (que abrange os 23 municípios do Litoral Norte) apresentou crescimento em três variáveis utilizadas para mensurar o avanço da doença. As hospitalizações confirmadas para Covid-19, registradas nos últimos sete dias na região, passaram de 14 para 21 entre as duas semanas. Apesar de o aumento na ocupação de leitos clínicos ter sido de 183%, no quesito de velocidade de avanço, a região foi afetada conjuntamente pela deterioração da macrorregião.

Os três indicadores de Estágio da Evolução e de Incidência de Novos Casos sobre a População apresentaram situação de bandeira preta, demonstrando a gravidade tanto da macro quanto da região em si.

BANDEIRA VERMELHA

Dentre os ajustes feitos no Distanciamento Controlado, o governo definiu que as regiões classificadas com cor vermelha não poderão ter regras mais brandas que as estipuladas no Decreto Estadual, nas Portarias da Saúde e nos Protocolos Segmentados.A flexibilização disposta no Distanciamento Controlado aos municípios será permitida apenas em situações de bandeiras amarela e laranja. No caso de medidas mais restritivas, os municípios podem adotar independentemente da cor em que estiverem.

Além disso, existe uma regra que determina que regiões classificadas em bandeiras preta ou vermelha no mapa definitivo por dois períodos consecutivos ou alternados, dentro do prazo de 21 dias, precisarão de duas semanas consecutivas com bandeiras menos graves para que possam efetivamente obter redução no nível de risco. O objetivo deste gatilho de segurança é o de assegurar e caracterizar a efetiva melhora nas condições de uma região.

PERMANECE A DIVISÃO DE BANDEIRAS

Em votação online iniciada na noite desexta-feira (26) e finalizada na manhã de sábado (27), com diferença mínima de 12 votos contra 11, a maioria dos prefeitos da Associação dos Municípios do Litoral Norte (Amlinorte) rejeitoua proposta técnica apresentada pela 18ª Coordenadoria Regional de Saúde (CRS), em conjunto com os secretários municipais de Saúde da região. Os técnicos entendem ser equivocada a decisão do Estado em flexibilizar as regras de distanciamento para 11 municípios da região, além de apresentarem um conjunto de medidas restritivas de circulação e aglomeração e ações de reforço e qualificação nas equipes de vigilância dos municípios.

A proposta foi apresentada à associação pelos técnicos da 18ª CRS em conjunto com os secretários municipais após reunião com o presidente da Amlinorte, Pierre Emerim. “No rol de argumentos técnicos, se justifica a ineficiência em manter municípios limítrofes com bandeiras diferentes, o que só favorece a propagação do vírus devido à autorização para circulação de pessoas”, explica o presidente da Amlinorte. Ele destaca ainda que a capacidade de atendimento do sistema de saúde é limitada, com apenas 46 leitos de Unidade de Tratamento Intensiva (UTI) para atender toda a população do litoral, sendo apenas 22 leitos destinados à UTI Covid-19.

UTI PRATICAMENTE LOTADAS

Na tarde desse domingo (28), a Amlinorte publicou em suas redes um alerta à população de que os leitos de UTIs da região chegaram a 98% da sua lotação. O Litoral Norte possui 46 leitos de UTI distribuídos nos Hospitais de Torres, Capão da Canoa, Osório e Tramandaí A informação veioacompanhada de um apelo para que a população “se desloque apenas em extrema necessidade e opte pelas alternativas de tele-entrega”. Em seguida, a mensagem passou a ser compartilhada em grupos de Whatsapp.

Conforme o presidente da associação e prefeito de Imbé, Pierre Emerim, o alerta foi disparado tão logo à lotação foi verificada em tempo real junto aos hospitais da região. “Estávamos prevendo isso para os próximos dias. Aconteceu ainda antes. Bom é que a notícia já surtiu efeito. Já é visível a diminuição do movimento três horas depois de publicação”, declarou Emerim.

A coordenadora interina da 18ª Coordenadoria Regional de Saúde do Rio Grande do Sul, Magda Bartikoski, acredita que esteja ocorrendo uma sobrecarga nas UTIs do Litoral Norte devido ao fluxo de pessoas de cidades como da Região Metropolitana de Porto Alegre e da Serra Gaúcha que estão se dirigindo para os municípios. “Com a enxurrada de gente que vem para cá é impossível, mais de 600 mil pessoas estão morando aqui”, avalia Magda.Ela afirma que a expectativa é de que se consiga a abertura de mais leitos, mas também gostaria que houvesse uma unificação da bandeira vermelha para todo o litoral, pois, na sua visão, bandeiras diferentes em municípios tão próximos, acaba facilitando o fluxo de pessoas. “A fiscalização vai ter que ser mais dura, as pessoas estão andando na praia como se não tivesse problema”, comentou a coordenadora interina da 18a CRS.

REUNIÃO COM O GOVERNADOR

A Amlinorte terá,nesta terça-feira (30), uma reunião com o governador do Estado, para tratar sobre essas questões e também apresentar dados que comprovam a elevada migração de pessoas para o Litoral nos últimos três meses. Foram contrários a proposta de unificação para bandeira Vermelha 12 municípios, sendo que 11 estão autorizados a seguir os protocolos da bandeira Laranja, contra 11 votos daqueles municípios que estão na bandeira Vermelha. Segundo Pierre Emerim, ele vem defendendo desde março que devem “sempre” serem tomadas medidas em bloco, para “uma melhor eficiência e coerência nas ações comportamentais de toda a população litorânea”.

Entre as demandas, está o pedido para que não valha na região a regra de que municípios sem mortes possam adotar regramento equivalente à bandeira laranja mesmo estando em região de bandeira vermelha. Segundo Pierre, a proximidade e a alta circulação entre praias tornam a regra perigosa. A segunda demanda é por mais leitos na região, em razão do aumento da população sazonal do Litoral Norte desde o início da pandemia.

A seguir veja os principais dados na oitava semana do Distanciamento Controlado em todo o Estado:

Números da oitava semana do Distanciamento Controlado

• O número de novos registros de hospitalizações por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) de confirmados por Covid-19 aumentou 19,7% entre as duas últimas semanas (de 512 para 613);

• O número de internados em UTI por SRAG aumentou 25,4% entre as duas últimas quintas-feiras (de 366 para 459);

• O número de internados em leitos clínicos com Covid-19 aumentou 31% entre as duas últimas quintas-feiras (de 365 para 478);

• O número de internados em leitos de UTI com Covid-19 aumentou 24,3% entre as duas últimas quintas-feiras (de 247 para 307);

• O número de leitos de UTI adulto livres para atender Covid-19 aumentou 6,3% entre as duas últimas quintas-feiras (de 587 para 624);

• O número de óbitos por Covid-19 aumentou 39,5% entre o cálculo das bandeiras com dados de sexta-feira passada e desta semana, com dados até quinta-feira (de 86 para 120).

Legenda mapa:

Bandeira Amarela: Regiões de Taquara (06); e Bagé (22); Cachoeira do Sul (27), Santa Cruz do Sul (28); e Lajeado (29 e 30).

Bandeira Laranja: Regiões de Santa Maria (01 e 02); Uruguaiana (03); Cruz Alta (12); Ijuí (13); Santa Rosa (14); Pelotas (21);

Bandeira Vermelha: Regiões de Capão da Canoa (04 e 05); Novo Hamburgo (07); Canoas (08); Porto Alegre (09 e 10); Santo Ângelo (11); Palmeira das Missões (15 e 20); Erechim (16); Passo Fundo (17 a 19); e Caxias do Sul (23 a 26).