A proliferação do novo coronavírus segue aumentando em todo o Estado. Já não bastassem quatro regiões apresentarem bandeira vermelha no Distanciamento Controlado na semana passada, incluindo a região de Capão da Canoa, segundo o novo Boletim divulgado pelo governador Eduardo Leite, no final da última sexta-feira (3), outras seis regiões apresentam alto risco de proliferação da Covid-19, somando 10 das 20 regiões monitoradas pelo Distanciamento Controlado no Estado.

Embora representem metade das 20 regiões usadas no modelo, somam 73,4% da população gaúcha (8.310.854 habitantes). Na rodada anterior, eram seis regiões, que representavam 46,1% dos gaúchos. As outras 10 regiões ficaram com laranja (risco médio). O Estado segue sem registro de bandeira preta (risco altíssimo), mas, pela primeira vez, nenhuma região foi classificada em amarelo (risco baixo).

Conforme a análise preliminar, seis regiões tiveram piora na classificação final e, portanto, terão maiores restrições de suas atividades.Taquara registrou a mudança mais drástica: a região estava com bandeira amarela e passou direto para vermelho. Palmeira das Missões, Pelotas, Erechim e Caxias do Sul, que estavam com bandeira laranja, também migraram para vermelha. Bagé, que estavam em amarelo, foi para laranja.

Cinco regiões permaneceram sem alteração. Porto Alegre, Capão da Canoa, Novo Hamburgo e Canoas, por terem sido classificadas em vermelho pelo menos duas vezes no período de 21 dias, mesmo que apresentassem melhora nos dados, não poderiam ter regressão no nível de restrição, com isso, seguem com bandeira vermelha. Passo Fundo não apresentou melhora nem piora no cálculo dos indicadores e permanece com vermelha. A única região que apresentou redução de risco foi Santo Ângelo, passando de vermelho para laranja. As demais regiões não tiveram alteração na sua bandeira final e permanecem com bandeira laranja.

Com isso, as atividades econômicas nos 23 municípios do Litoral Norte devem permanecer restritas durante as próximas duas semanas pelo menos. Entretanto, o Decreto Estadual no 55.322 permite que municípios sob bandeira vermelha sem registro de hospitalização e óbito por Covid-19 de algum morador nos últimos 14 dias e que mantenham rigorosamente atualizados os registros nos sistemas oficiais poderão adotar, por meio de regulamento próprio, protocolos para as atividades previstas na bandeira laranja. No mapa preliminar da 9ª semana, de um total de 307 municípios abrangidos pela bandeira vermelha, 177 cidades vão poder adotar protocolos previstos na classificação laranja, incluindo Arroio do Sal, Balneário Pinhal, Capivari do Sul, Dom Pedro de Alcântara, Itati, Mampituba, Morrinhos do Sul, Mostardas, Palmares do Sul, Tavares e Três Forquilhas.

CAPÃO DA CANOA

Também sobre efeito do agravamento na Macrorregião Metropolitana, a região de Capão da Canoa apresentou crescimento em três variáveis utilizadas para mensurar o avanço da doença. As hospitalizações confirmadas para Covid-19 registradas nos últimos sete dias na região passou de 21 para 23 entre as duas semanas. Apesar da redução na ocupação de leitos clínicos em 23,5% (de 17 para 13), ocorreram aumentos no número de internados em Unidade de Tratamento Intensiva (UTI) confirmados para Covid-19 e por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG).

Vale ressaltar que três indicadores de Estágio da Evolução e de Incidência de Novos Casos sobre a População apresentaram situação de bandeira preta, demonstrando a gravidade tanto da macro quanto da região em si.

DISTANCIAMENTO CONTROLADO

Com base em evidências científicas e análise de dados, o modelo de Distanciamento Controlado – que está oficialmente em vigor desde 10 de maio, com o Decreto 55.240 – tem o objetivo de equilibrar a prioridade de preservação da vida com uma retomada econômica responsável em todo o Rio Grande do Sul.

Para isso, o governo dividiu o Estado em 20 regiões e mapeou 105 atividades econômicas. A partir de um cálculo que leva em conta 11 indicadores, segmentados em dois grupos – propagação do vírus e capacidade de atendimento de saúde –, determinou a aplicação de regras (chamados de protocolos) mais ou menos restritas para cada segmento de acordo com o risco calculado para cada região.

Conforme o resultado do cruzamento de dados divulgados de forma transparente, cada local recebe uma bandeira nas cores amarela (risco baixo), laranja (médio), vermelha (alto) ou preta (altíssimo). O monitoramento dos indicadores de risco é semanal. Essa nova classificação das cores é válida a partir dessa terça-feira (13) e segue até a próxima segunda (13).

Números da nona semana do Distanciamento Controlado

• O número de novos registros de hospitalizações Síndrome Respiratório Aguda Grave (SRAG) de confirmados Covid-19 aumentou 19% entre as duas últimas semanas (611 para 729);

• O número de internados em UTI por SRAG aumentou 27% no Estado entre as duas últimas quintas-feiras (459 para 582);

• O número de internados em leitos clínicos com Covid-19 no RS aumentou 16% entre as duas últimas quintas-feiras (478 para 554);

• O número de internados em leitos de UTI com Covid-19 no RS aumentou 36% entre as duas últimas quintas-feiras (307 para 418);

• O número de leitos de UTI adulto livres para atender Covid-19 no RS aumentou 5% entre as duas últimas quintas-feiras (de 624 para 653);

• O número de óbitos por Covid-19 aumentou 15% entre as duas últimas quintas-feiras (de 120 para 138).

Legenda mapa

Bandeira Laranja: Regiões de Santa Maria (01 e 02); Uruguaiana (03); Santo Ângelo (11); Cruz Alta (12); Ijuí (13); Santa Rosa (14); Bagé (22); Cachoeira do Sul (27), Santa Cruz do Sul (28); e Lajeado (29 e 30).

Bandeira Vermelha: Regiões de Capão da Canoa (04 e 05); Taquara (06); Novo Hamburgo (07); Canoas (08); Porto Alegre (09 e 10); Palmeira das Missões (15 e 20); Erechim (16); Passo Fundo (17 a 19); Pelotas (21); e Caxias do Sul (23 a 26).