O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) autorizou, na quarta-feira (3,) o trânsito de bovinos e bubalinos entre o Rio Grande do Sul e os Estados do Paraná e do Bloco I, que inclui Acre, Rondônia e regiões de Amazonas e Mato Grosso. A medida deve minimizar os impactos das restrições impostas em dezembro do ano passado e abril deste ano, sem prejuízo das garantias sanitárias que fundamentam o pleito brasileiro. No Ofício 121/2020, o Mapa considera que estes Estados e regiões estão em fase de transição, cumprindo os requisitos necessários para o pleito de zonas livres de febre aftosa sem vacinação junto à Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), com regramentos e controles sanitários consonantes.

“A liberação do trânsito para estes Estados é uma demanda da secretaria encaminhada ao Ministério da Agricultura. Uma excelente notícia, já que aproximadamente 50% do gado em pé é comercializado para o Paraná”, afirmou o secretário estadual da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural, Covatti Filho.

Este ofício anula as Instruções Normativas SDA 37, de 27 de dezembro de 2019, e 23, de 29 de abril de 2020, que proibiam o ingresso e a incorporação de animais vacinados entre o Rio Grande do Sul e esses Estados. Santa Catarina e Paraná já são considerados Estados livres de aftosa sem vacinação. O Rio Grande do Sul está buscando o mesmo status. Em agosto, uma auditoria do Mapa deve avaliar a condição sanitária do Estado.