Um dia após o anúncio de mudanças no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), o ministro da Educação, Mendonça Filho, confirmou que as provas passarão por novas adaptações a partir da implementação da reforma do ensino médio. Em entrevista ao Gaúcha Atualidade nesta sexta-feira, o ministro garantiu, ainda, que o governo federal vai ampliar a oferta de crédito pelo Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).

“Posso garantir que o Fies permanece, a gente vai assegurar ampliação da oferta de dos financiamentos, mas de forma responsável e sustentável. Não uma oferta eleitoreira como no passado”, afirmou.

Segundo Mendonça Filho, o Ministério da Educação, em parceria com a pasta da Fazenda, está finalizando os estudos sobre as mudanças no programa, que tem sofrido corte no número de vagas desde 2015. Ele não quis antecipar as medidas, mas disse que a nova estrutura do Fies será apresentada até abril.
Sobre as mudanças no Enem, o ministro afirmou que são fruto da demanda dos jovens. Este ano as provas serão aplicadas em dois domingos seguidos, 5 e 12 de novembro, e não mais em um único fim de semana como nas edições anteriores.

“Vai dar mais tranquilidade aos jovens, que antes saíam saturados depois de dois dias seguidos de prova”, disse o ministro, ao reforçar que a mudança nas datas também beneficia os estudantes sabatistas, que antes precisavam ficar confinados em uma sala para fazer a prova depois das 19h de sábado, em função de questões religiosas.

Ele ainda defendeu o fim da utilização do Enem como forma de obter a certificação do ensino médio, já que “não era um exame adequeado para esse fim” e voltou a afirmar que a extinção da divulgação do resultado das provas por escola, com criação de rankings de melhores e piores, atende a pedido de especialistas em educação e evita a propaganda enganosa de instituições de ensino.

Sobre novas mudanças no Enem, Mendonça Filho afirmou que elas devem ocorrer a partir da implementação da reforma do ensino médio, que foi sancionada pelo presidente Michel Temer, mas ainda depende da definição dos conteúdos obrigatórios da Base Nacional Comum Curricular, que deve ser definida até o fim deste ano.

“O Enem está sempre em processo de amadurecimento e de evolução. E evidente que o Enem tenderá cada vez mais a se adaptar às mudanças no ensino médio”, disse.

GAÚCHA