Em Osório, a Secretaria de Saúde oferece um grande leque de serviços para a população. Além do que é sua prerrogativa que atenção básica, vai além, investindo em especialidades e demais ações tidas como necessárias para quem utiliza ou depende da saúde pública.

Um dos exemplos é o atendimento a quem apresenta, com base em diagnóstico, transtorno de desenvolvimento que compromete as habilidades de comunicação e interação social e geralmente aparece até os três anos de vida, que é o Autismo, ou Transtorno do Espectro Autista

Atendimento
Na cidade, o atendimento ocorre no CAPS, que é um dos serviços de referência para o cuidado às pessoas com transtornos do espectro do autismo, independentemente de sua idade. Segundo a coordenadora do CAPS/Casa Aberta, a psicóloga, Denize Amaral, também é função do CAPS ofertar apoio matricial às equipes de saúde da família e aos pontos de atenção às urgências, apoiando e subsidiando o processo diagnóstico, o acompanhamento direto das situações graves e se corresponsabilizando pela atenção às urgências.

O CAPS Casa Aberta já atende pessoas com transtornos do espectro autista e está inovando com o reeordenando do fluxo de atendimento, para melhor atender às famílias.

Ações no CAPS:
Acolhimento e acompanhamento de situações graves e urgentes oriundas da atenção primária.
Grupo de Pais de crianças com diagnóstico de autismo ou outro diagnóstico mesclado, com o objetivo de cotejar o exercício das funções parentais em diferentes situações e diagnósticos.
Apoio matricial às equipes de saúde da família, incluindo ações de prevenção nos primeiros anos de vida onde é possível a detecção de risco psíquico a partir da observação da relação mãe-bebê.

Atenção à demanda:
A família deverá apresentar documento de encaminhamento do médico da ESF ou de médico pediatra, neurologista ou psiquiatria ou de serviço especializado de outro município; onde então será informada a data da consulta por telefone, em até uma semana, não sendo necessário retirar ficha de acolhimento.
Denize disse que com essa ação, a ideia é facilitar e agilizar o atendimento das mães com encaminhamento.

A atenção ao público com esse transtorno também é uma demanda do secretário da Saúde, Emerson Magni, que juntamente com o prefeito Eduardo Abrahão projeta um atendimento cada vez mais qualificado nesta área. “O fluxo de atendimento para o diagnóstico precoce do Autismo é mais uma avanço da saúde local” afirma Magni.