Segunda a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência, 75% das famílias gaúchas estão endividadas. Os dados foram divulgados pela Federação do Comércio do Estado (Fecomércio-RS), nesta segunda-feira (31/05). A pesquisa mostra um novo crescimento desse percentual, que em abril havia registrado 73,2%. Em relação a maio de 2020, o aumento foi de aproximadamente 123%. Apesar do aumento, o quadro não preocupa tendo em vista o bom desempenho dos indicadores de inadimplência.

Conforme a pesquisa, o percentual de famílias com contas em atraso foi de 20,1% em maio. Esse foi o menor resultado desde maio de 2019 quando o percentual foi de 19,1%. Ainda, o percentual de famílias que possuem contas em atraso, mas que afirma não terem condições de quitarem suas dívidas no próximo mês, foi de apenas 5,7%, menor resultado desde março de 2019.

Segundo o presidente da Fecomércio-RS, Luiz Carlos Bohn, “a redução da renda em virtude do comportamento do mercado de trabalho, a pressão inflacionária sobre o orçamento das famílias e a grande incerteza quanto ao futuro acaba estimulando que mais pessoas venham a utilizar crédito, mas, também provoca um comportamento mais responsável na assimilação de novas dívidas”.

A atividade econômica em processo de recuperação e ainda ameaçada por novas restrições impostas por possíveis agravamentos da pandemia impede uma retomada mais consistente do consumo, tornando o consumidor mais cauteloso. Entretanto, Bohn ressalta que a conjuntura benigna da inadimplência pode ser alterada nos próximos meses uma vez que as taxas de juros estão em trajetória de alta. “Os indicadores de endividamento e inadimplência não nos causam, por ora, preocupação. Isso é algo extremamente positivo num cenário de tantas incertezas como o que vivemos. Mas, precisamos nos manter atentos. Juros mais altos sempre tendem a refletir na inadimplência”, declarou o presidente da Fecomércio-RS.

FOTO: Divulgação