Ainda existe margem para redução maior dos combustíveis nos postos, mas cálculo do ICMS é que retarda a redução do preço ao consumidor.

Um dos efeitos da pandemia do coronavírus que beneficiou os brasileiros foi a queda vertiginosa dos preços dos combustíveis de petróleo. Em pouco mais de um mês a queda sucessiva do preço do barril de petróleo e a queda de consumo em todo o mundo gerou uma redução de 50% no preço da gasolina nas refinarias.

A alta constante que se verificou em 2019 e nos primeiros meses de 2020 deu lugar a uma queda internacional dessa commodity. No Brasil estes dois fatores forçaram uma queda de preço dos combustíveis, principalmente a gasolina e o diesel que agora retomaram preços de 2019 antes da nova política de preços adotada pela Petrobras com base na cotação do dólar e no preço do barril de petróleo.

Numa pesquisa realizada pelo jornal Momento em 12 postos de combustíveis da cidade se verificou uma redução mais acentuada de preços nas últimas duas semanas quando o litro da gasolina comum ainda estava acima de R$ 4,00.

A demora na queda os preços no estado se deve principalmente a forma de cobrança do ICMS que incide sobre um preço pré-estabelecido calculado pela média dos últimos 15 dias e cobrado sobre os próximos 15 dias. Esta fórmula de cálculo do imposto foi alterada no começo de 2020 quando a mesma ocorria de 30 em 30 dias a revisão do preço base para cálculo do imposto.

Esta mudança ocorreu por que uma ação judicial cobrava a devolução do imposto cobrado a mais pelo estado quando o preço da gasolina baixava e o estado buscou cobrar a diferença quando a gasolina subia de preço e era paço imposto sobre base menor. No acordo judicial fico acertado que seria reduzido para 15 dias a atualização do preço base e se formaria um crédito de imposto que seria para abater quando a situação for favorável aos postos. Mas para evitar isto os postos passaram a manter os preços elevados fazendo com que a redução de preços nas refinarias somente surtisse efeito nas bombas para o consumidor depois de algum tempo. Agora os preços estão despencando e ainda há margem par maiores reduções ainda no preço dos combustíveis. Para se ter uma ideia da queda de preço o litro da gasolina na refinaria em 1º e março deste ano estava ao preço de R$ 1,70, sem tributos. Agora o preço do litro, sem tributos está em R$ 0,944 entregue pela Petrobras em 29 de abril de 2020. Atualmente o preço menor encontrado em Osório é de R$ 3,499 o litro da gasolina comum. Mesmo assim entre impostos e margem de lucro o preço do combustível é cerca de 300% mais caro.

Para facilitar a escolha mais barata colocamos a lista de preços na tabela a seguir, onde alguns vendem a gasolina comum e aditivada pelo mesmo valor e outros conseguem reduzir mais o preço usando programas de descontos. Para pagamento há várias modalidades, mas alguns somente aceitam pagamento a vista (dinheiro ou cartão de débito), no cartão no crédito ou Banricompras para 30 ou 60 dias.

O consumidor deve estar atento ao preço ao entrar no posto de combustíveis pois alguns divulgam o preço promocional (à vista ou débito) com destaque e tem bombas separadas para o abastecimento. Antes de abastecer pergunte qual o preço e forma de pagamento para evitar transtornos da hora de receber a conta.

FOTO: DIVULGAÇÃO