Com 15 servidores e duas aeronaves, o Batalhão de Aviação da Brigada Militar é um dos principais diferenciais do policiamento aéreo ao reduzir o tempo de resposta na hora de salvar uma vida no Litoral. Destaques da 47ª Operação Golfinho, que integra a Operação Verão para Todos do governo do Estado, as aeronaves percorrem o trajeto entre Quintão e Torres em 40 minutos. Distâncias mais curtas como Capão da Canoa e Tramandaí são percorridas em apenas nove minutos.
Desde o início da operação, foram realizados quatro salvamentos no Litoral Norte com apoio aéreo. Durante o patrulhamento no mar, os tripulantes fazem contato visual com salva-vidas e banhistas em situações de risco. “Todo efetivo da Brigada Militar, seja policial, bombeiro ou salva-vidas, tem o número fixo e celular de emergência do batalhão”, destaca o major e piloto Danúbio Lisbôa. “Os tripulantes possuem curso de salva-vidas e especializações em ocorrências policiais, salvamentos no mar, combate a incêndio em florestas, entre outros”, acrescenta.
Os brigadianos em terra podem solicitar o apoio aéreo, mas os pilotos também acompanham as ocorrências por rádio. Lisbôa explica que o Batalhão de Aviação também consegue antecipar as ocorrências antes de ser acionado. “As aeronaves da Aviação de Segurança Pública podem decolar imediatamente para uma ocorrência policial, não necessitando de autorização para decolagem como ocorre na Aviação Civil”, informou.

Proteção do céu

Outro diferencial desta edição da Operação Golfinho é a utilização permanente do helicóptero Koala, que chama a atenção dos moradores e veranistas por onde passa. A aeronave possui autonomia de voo de uma hora e 30 minutos, com velocidade média de 200 quilômetros por hora. Com capacidade para oito pessoas, é equipado com imageador térmico, guincho para içamento, gancho para missões de salvamento, farol de busca noturna, bolsa para combate a incêndios e UTI Móvel.
O ingresso no Batalhão de Aviação da BM é feito por edital interno de seleção na corporação. O curso para pilotos possui duração de dois anos, com treinamento de pouso em área restrita e carga externa. O curso de tripulante dura dois meses. Ambos ocorrem no Centro de Formação Aeropolicial em Capão da Canoa.

Texto: Paola Dala Barba/PM5
Edição: Gonçalo Valduga/Secom