Porto Meridional é apresentado a empresários da região

Na última sexta-feira (1), ocorreu no À Lenha Pizzaria, em Tramandaí, a quarta edição Reunião Almoço de Empresários. O evento organizado pela Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) Tramandaí e Imbé teve como tema ‘Como desenvolver o Litoral Norte’. O almoço buscou propiciar o networking e união da classe empresarial das cidades da região.

O encontro também serviu para apresentar o projeto do Porto Meridional de Arroio do Sal aos empresários. Entre os convidados, estiveram presentes o senador Luiz Carlos Heinze (Progressistas), um dos principais encabeçadores do projeto do Porto, além do Diretor Executivo da empresa responsável pelo projeto da obra, a DTA, Daniel Kohl.

O empreendimento terá um investimento de cerca de seis bilhões de reis e sua construção deve iniciar em 2023. Conforme Daniel, já foram obtidas licenças na Marinha do Brasil e na Secretaria de Portos da União. Seguem em andamento as licenças da Agência Nacional de Transportes Aquaviários e do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). A expectativa é de que os primeiros navios possam atracar em 2024: “Para este ano o foco é conseguir as licenças necessárias para viabilizar o empreendimento. Ao mesmo tempo, a empresa já cuida do projeto de engenharia, necessário para a construção da infraestrutura”, declarou Kohl.

A ideia do porto começou a ganhar força em 2018, por iniciativa do ex-prefeito de Passo Fundo e ex-deputado federal Fernando Carrion. Com o tempo, a proposta acabou sendo encampada pelo MobiCaxias (grupo empresarial de Caxias do Sul) e pelo senador Heinze, que auxilia na intermediação com o governo federal. Em 2019, após estudos batimétricos (medição da profundidade do oceano), concluiu-se que Arroio do Sal era o local mais indicado para a iniciativa. A partir daí um grupo de empreendedores comprou uma área junto à praia de Rondinha Nova e Arroio Seco, e a proposta deslanchou.

A intenção é construir no local um Terminal de Uso Privado (TUP) do tipo onshore. Isso significa que o porto funcionará junto à costa. Terá calado inicial de 17 metros (mais profundo do que o de Rio Grande, que homologou 15 metros em 2020) e, com isso, poderá comportar grandes embarcações e cruzeiros marítimos. Será um porto diferenciado, com capacidade para receber a classe de navios do novo Canal do Panamá, que foi inaugurado no ano passado. Além disso, está incluído no projeto um terminal de passageiros, que é a chamada “cereja do bolo”, a qual dará mais oportunidades para o turismo, em especial pela proximidade com a Serra.

O acesso ao porto se dará pela BR-101, com uma ponte sobre a Lagoa de Itapeva. A área principal ficará junto à Estrada do Mar (ERS-389) e a expectativa é de que se transforme em um complexo industrial. Dali, partirá uma travessia sobre a rodovia até o oceano, com esteiras para grãos, dutos e passarela para contêineres. Na água, haverá quebra-mares avançando cerca de um quilômetro adentro, formando uma bacia protetora.

O evento contou com a participação do presidente da Frente Parlamentar do Porto de Arroio do Sal na Assembleia Legislativa, deputado Issur Koch, dos prefeitos de Tramandaí, Luis Carlos Gauto, e de Arroio do Sal, Afonso Flavio Angst, além de representantes dos municípios de Capão da Canoa, Caxias do Sul e Santa Cruz do Sul, assim como empresários da região e integrantes da Universidade Federal do RS (UFRGS) e da Universidade de Caxias do Sul (UCS).

FOTOS: Divulgação


There is no ads to display, Please add some