Em assembleia geral do Cpers/Sindicato na tarde desta sexta-feira, professores estaduais decidiram entrar em greve por tempo indeterminado a partir de 20 de dezembro caso o governo do Rio Grande do Sul não pague em dia os salários da categoria, incluindo o 13º, neste final de ano. Com isso, o início do ano letivo de 2017 nas escolas da rede estadual gaúcha não está garantido.

Participaram da votação cerca de 1,5 mil professores da rede estadual de ensino, que estiveram presentes no Ginásio Gigantinho, em Porto Alegre. A decisão poderá ser reavaliada em nova assembleia da categoria marcada para 8 de dezembro, mas só deve ser cancelada caso o magistério não seja afetado, no próximo mês, pelo parcelamento de salários promovido pelo governo gaúcho diante da crise financeira.

A categoria também aprovou um dia de paralisação “contra os ataques aos direitos dos trabalhadores” em 25 de novembro, além de mobilizações contra a reforma do Ensino Médio, a PEC 241, as reformas trabalhista e da previdência, entre outros.

Os professores ainda devem se mobilizar após o envio de um pacote de medidas proposto pelo governador José Ivo Sartori e previsto para ser encaminhado à Assembleia no dia 22 de novembro. Uma vigília está programada para entre 12 e 20 de dezembro, em frente ao Palácio Piratini, contra o pacote e pelo pagamento do 13º salário em dia. Durante esse período, não há garantia de que as escolas estaduais terão aulas normalmente.

Foto: Félix Zucco/Agencia RBS