Bruna Oliveira

Um projeto audacioso quer transformar Osório em um importante polo turístico do litoral norte gaúcho e quem sabe do Rio Grande do Sul. A ideia é instalar um teleférico interligando o conhecido Morro da Borússia a um complexo com hotel, hub de saúde, posto de gasolina e até uma marina. Osório, às margens do encontro das BRs 290 e 101, fica a 103 quilômetros de Porto Alegre.O investimento estimado entre R$ 80 milhões e R$ 100 milhões está sendo encabeçado pela Connect Global AD, uma aceleradora de projetos que tem parceria com o grupo francês Poma, empresa de transporte por cabos que seria responsável pela construção teleférico. O escritório do arquiteto Jaime Lerner, que fez os projetos da Orla do Guaíba, em Porto Alegre, desenvolve estudos de urbanismo e da marina para o complexo com teleférico, segundo a Connect Global.    Teleféricos entraram no radar de outras prefeituras gaúchas, como Torres, também no Litoral Norte. Porto Alegre também recebeu uma proposta de ter seu teleférico para transporte urbano.Nesta quinta-feira (28), evento no Tecnopuc, em Porto Alegre, vai reunir o Poma e gestores de municípios que querem saber mais sobre este tipo de equipamento. Representantes de prefeituras da Capital, Torres, Osório, Tramandaí, Imbé, Bento Gonçalves, Garibaldi, Estrela, Lajeado, Encantado e Caxias do Sul confirmaram presença, diz a Connect.O meio de transporte com fim turístico e aberto ao público percorrerá uma distância de 1,4 quilômetro ligando a rampa nordeste do Morro da Borússia ao restante do empreendimento, a ser erguido em uma área de 45 hectares cedida pela prefeitura de Osório. A área fica após o posto da Polícia Rodoviária Federal (PRF), na BR-101, em Osório, margeado pela lagoa da Pinguela.

{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/11/27/206x137/1_osorio_teleferico-8913671.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5ddeac423ac6a', 'cd_midia':8913671, 'ds_midia_link': 'https://i0.wp.com/www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/11/27/osorio_teleferico-8913671.jpg?w=1068&ssl=1', 'ds_midia': 'Vista panorâmica de Osório - área por onde passaria teleférico  que Connect Global propôs para a prefeitura instalar em empreendimento privado ', 'ds_midia_credi': 'PREFEITURA DE OSÓRIOTRÍCIA COMUNELLO/DIVULGAÇÃO/JC', 'ds_midia_titlo': 'Vista panorâmica de Osório - área por onde passaria teleférico  que Connect Global propôs para a prefeitura instalar em empreendimento privado ', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '481', 'align': 'Left'}
Vista panorâmica mostra a área por onde passaria a linha do teleférico em Osório. Foto: Prefeitura/Divulgação

Tiago Lentz Dias, CEO da Connect Global AD, explica que a startup está buscando empresas interessadas em operar nos players que integrarão o complexo. Uma das tratativas é com o grupo SIM, rede gaúcha de postos de combustíveis que é hoje a maior do Brasil, que poderia investir R$ 20 milhões na instalação de um posto com loja de conveniência.A aceleradora também busca uma construtora para o edifício que abrigaria um hotel da bandeira Accor. Os gestores da Connect sugeriram que a prefeitura de Osório busque o modelo de Parceria Público Privada (PPP) para viabilizar o projeto ainda em 2020.Dias afirma que a posição estratégica do local, às margens da BR-101 e da Estrada do Mar (ERS-389), tem grande potencial para a exploração turística. “São 400 mil habitantes fixos no Litoral Norte, número que pula para 1 milhão durante a alta temporada do verão, com fluxo de mais de 25 mil veículos por dia passando no trecho, inclusive de estrangeiros”, justifica o CEO da Connect Global.A prefeitura de Osório se diz simpática ao empreendimento, embora aguarde a concretização do projeto para entrar em campo. “É um passo muito importante para o turismo e gostamos da ideia, mas não estamos comprometidos por enquanto”, explicou o secretário de Desenvolvimento, Planejamento e Turismo do município, Rossano Teixeira.O secretário diz que a participação da prefeitura no projeto, além de ceder o terreno, seria de auxiliar na obtenção das licenças ambientais. A área já havia sido cogitada para a construção de um polo industrial, que não vingou por conta das licenças. “Nossa condição é de expectativa pela chance de unir o útil ao agradável”, diz Teixeira. 

Informações do site jornal do comercio