Dois projetos desenvolvidos no Litoral Norte gaúcho receberão apoio técnico e financeiro para fomentar o turismo sustentável na região. Eles foram selecionados pelo Camp Oceano, iniciativa nacional da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, em parceria com a Fundação Araucária de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Paraná. A observação presencial e virtual da fauna marinha no município de Torres e um projeto de turismo de base comunitária que incentiva a pesca cooperativa em Tramandaí estão entre as 19 iniciativas de todo o país que receberão suporte financeiro total de R$ 3,7 milhões para serem executadas a partir de 2022, no período entre um e três anos.

“Estamos muito satisfeitos com o resultado desse processo. Contamos com a participação de muita gente criativa, bem preparada e comprometida com a sustentabilidade do oceano. Chegamos a propostas capazes de gerar impactos positivos e duradouros para a conservação de nossas áreas costeiras e marinhas, além de estimular o desenvolvimento social e econômico da região”, comemora a diretora executiva da Fundação Grupo Boticário, Malu Nunes. O Camp Oceano estimulou a co-criação de propostas a partir de capacitações, mentorias e suporte técnico. Agora, as melhores recebem recursos para serem executadas.

Iniciativa do Grupo de Estudos de Mamíferos Aquáticos do RS (Gemars), o projeto ‘Como Virar Torres para o Mar?’ tem por objetivo a observação presencial e virtual da fauna marinha em Torres. A proposta pretende chamar a atenção da cidade para sua costa por meio da implementação do turismo de observação dos lobos e leões-marinhos, sem precisar estar embarcado.

O ‘Botos da Barra’, outro projeto gaúcho que receberá o suporte financeiro, é uma solução para potencializar o turismo de base comunitária atrelado à conservação da natureza na Barra do Rio Tramandaí. Por meio de métodos participativos de qualificação e conscientização dos atores locais, da valorização dos serviços e da paisagem de beleza cênica, o projeto da ONG Kaosa pretende ser catalisador da sustentabilidade de comunidades pesqueiras e litorâneas.

Segundo Malu Nunes, as iniciativas apoiadas neste ano respondem a pelo menos um dos três desafios apresentados pelo Camp Oceano: fomentar o turismo responsável, conservando a biodiversidade; reduzir a poluição no oceano e incidentes ambientais; e mitigar os efeitos da crise climática nas cidades costeiras.

Sobre o processo – Iniciado em abril deste ano, o Camp Oceano – edição da teia de soluções, promovida pela Fundação Grupo Boticário, em parceria com a Fundação Araucária – recebeu 138 inscrições. As 40 melhores soluções apresentadas avançaram para um evento on-line de três dias de imersão, capacitações e conexões para aprimorarem suas ideias. Na sequência, 25 soluções seguiram para uma etapa de mentoria e detalhamento para aprofundarem ainda mais suas propostas.

A relação detalhada das 19 soluções contempladas pelo Camp Oceano está disponível para consulta nos sites www.fundacaogrupoboticario.org.br e https://camp.teiadesolucoes.com.br/.

Sobre a teia de soluções – O Camp Oceano é um dos formatos de seleção da teia de soluções da Fundação Grupo Boticário. Lançada em 2020 com dois processos seletivos, a teia estimulou, em suas primeiras edições, o desenvolvimento de propostas voltadas para o turismo responsável em áreas naturais e para a Grande Reserva Mata Atlântica – o maior remanescente do bioma no Brasil. Ao longo dos processos, 43 soluções foram acompanhadas e estruturadas com mentoria e apoio técnico. No final, seis foram selecionadas para receber apoio financeiro e serem impulsionadas. Em 2021, duas novas edições da teia trouxeram desafios relacionados à sustentabilidade do oceano e a proteção e desenvolvimento econômico do Cerrado.

Sobre a Fundação Grupo Boticário – Com 30 anos de história, a Fundação Grupo Boticário é uma das principais fundações empresariais do Brasil que atuam para proteger a natureza brasileira. A instituição atua para que a conservação da biodiversidade seja priorizada nos negócios e em políticas públicas e apoia ações que aproximem diferentes atores e mecanismos em busca de soluções para os principais desafios ambientais, sociais e econômicos. Já apoiou cerca de 1.600 iniciativas em todos os biomas no país. Protege duas áreas de Mata Atlântica e Cerrado – os biomas mais ameaçados do Brasil –, somando 11 mil hectares, o equivalente a 70 Parques do Ibirapuera. Com mais de 1,2 milhão de seguidores nas redes sociais, busca também aproximar a natureza do cotidiano das pessoas. A Fundação é fruto da inspiração de Miguel Krigsner, fundador de O Boticário e atual presidente do Conselho de Administração do Grupo Boticário. A instituição foi criada em 1990, dois anos antes da Rio-92 ou Cúpula da Terra, evento que foi um marco para a conservação ambiental mundial.

FOTO: Divulgação


There is no ads to display, Please add some