thumbSeis horas depois de enfrentarem uma ocorrência com perseguição, tiroteio e morte no Litoral Norte, no último dia 5, policiais militares de Tramandaí salvaram uma criança de apenas um mês de vida. A pequena Valentina, filha de Gislaine da Silva Nunes, 23 anos, se engasgou ao tentar vomitar o leite materno. Sem a atuação da Brigada Militar, o desfecho do caso poderia ter sido trágico.

Três dias depois do ocorrido, mãe e filha foram até o quartel demonstrar gratidão aos policiais. “Eles são uns anjos de farda”, agradeceu Gislaine com a única filha biológica no colo. Além da recém-nascida, ela é mãe adotiva de Luiz Artur, de 8 anos, e Ana Laura, de 4.

No início da madrugada do dia 5, Gislaine acionou a BM. O sargento Alesandro Francisco Eisenhut atendeu o telefone e começou a orientá-la. “Ela dizia que a Valentina estava mole e roxa e que estava com alguma coisa na boca. Pedi para ela se acalmar, ir massageando as costas da criança”, conta Alesandro. Enquanto isso, uma viatura conduzia os soldados João Batista da Silva e Alex Knechtel Vieira até a residência. “No início, eu consegui controlar meu nervosismo. Mas quando a Brigada chegou, a Valentina desfaleceu, apagou completamente e me apavorei”, lembra Gislaine.

A menina, então, foi acolhida nos abraços de Batista e Vieira. “Ela estava toda roxa, e continuamos fazendo a sucção do vômito com um aspirador nasal, com todo o cuidado para não prejudicar o pulmão. Quando liberamos as vias aéreas, os sinais vitais começaram a voltar”, descreveu Vieira. “Foi por segundos. Se chegássemos 30 segundos depois poderia ser tarde demais”, complementa Batista.

O Samu conduziu o bebê até o hospital. Valentina ficou 6 horas internada e os exames não detectaram lesão. O sargento Eisenhut lembra que não é a primeira vez que atende ocorrências do tipo, mas que todas são marcantes. “Nós três somos pais e isso é gratificante. Infelizmente, no dia a dia temos que lidar com a violência, mas também salvamos vidas. Tivemos um dia difícil, mas que terminou com uma linda história”.