Poucos são os municípios do interior do nosso estado que possuem as riquezas naturais existentes em Osório. A quantidade de lagoas, serra e praias são privilégios que as comunidades possuem para assim oferecer qualidade de vida a sua população.

Ao longo de mais de uma década foram poucos os investimentos em infraestrutura para o turismo, no aproveitamento das belezas naturais como fonte de renda para a cidade e de geração de empregos. Tanto é assim que a rede hoteleira do município é pequena e a mesma de décadas destinando-se mais ao turismo de passagem. Mesmo com as praias de grande movimentação tão próximas e rodovias federais e estaduais cortando a cidade o fluxo de pessoas interno é ínfimo. Algumas iniciativas como a subida do morro e mirante foram meros balões de ensaio não resultando num incentivo a atração maior de visitantes devido a investimentos públicos que hoje estão parados.

Os esportes náuticos que tiveram um impulso inicial também ficaram para trás, assim como o montanhismo, mountain bike, o skate e principalmente os esportes. Isto sem falar no Rodeio e na não criação de um evento gastronômico. O pouco que se fez logo foi paralisado devido a interferência do poder público em quere ser o “pai da criança”.

No que tange a praças e parques tudo também ficou perdido e os recursos forma ficando engessados no funcionamento da máquina e não mais em prol da comunidade. O incentivo a ginástica nas praças e a prática de esportes também sucumbiram e pior que muitos dos equipamentos foram deixados à mercê do tempo sem a devida manutenção. Para piorar, mesmo com o Programa Jogue Limpo poucos são os pontos onde se podem encontrar lixeiras na cidade e campanhas para manutenção de passeios públicos e limpeza de terrenos baldios. A existência da Vila Olímpica ficou parada no tempo, assim como ginásio Rutílio Kestering que perderam vida por estarem depredados e somente em 2020 foram recuperados. Locais para dar vida e saúde à comunidade movimentando jovens na prática esportiva e quem sabe até descobrindo talentos olímpicos ou de outros esportes.

A Saúde por sua vez se tornou numa aldeia de Unidade Básicas de Saúde e por fim tendo uma UPA que nem Raio X possui e que ainda carece de equipamentos para realmente ser um pronto atendimento completo e facilitador do atendimento à saúde. Pior ainda foi o desinvestimento no Hospital da cidade que mesmo estando nas mãos da prefeitura por mais de dois anos em nada acresceu em serviços e muito menos em investimentos.

Na Educação há a carência de escolinhas infantis (creches) para que mães possam trabalhar e saber que seus filhos estão alimentados e com segurança e o melhor aprendendo a viver comunitariamente. Em 2021 a nova gestão tem por dever replanejar a cidade, reorganizar o fluxo financeiro para que a cidade cresça, que possa dar mais qualidade de vida a sua população. Por isso é importante o renovar, para que as administrações busquem fazer o melhor pela cidade em que vivem e pensando nas futuras gerações que estarão por vir. Esperemos que a comunidade tenha a devida recompensa pela coragem de romper um ciclo de uma velha política que termina ofuscada pelo ato criminoso de desvios de recursos na Saúde