Revendedores de gás registram falta de entrega no Rio Grande do Sul

thumb (4)Revendedores de gás liquefeito de petróleo (GLP) em todo o Estado tem comunicado o Sindicato das Empresas Distribuidoras, Comercializadoras e Revendedoras de Gases em Geral do Rio Grande do Sul (Singasul) a falta do recebimento do combustível das distribuidoras.

Revendedores de GLP nas regiões Sul e Metropolitana registram falta total na entrega de gás pelas distribuidoras, informa o presidente do Singasul, Ronaldo Tonet. Em Bagé, Torres e Três Cachoeiras, alguns tem gás para apenas um dia de consumo.

Se continuar a greve dos caminhoneiros e o seu bloqueio no acesso e saída de veículos às bases das distribuidoras, localizadas no município de Canoas, em três dias começará a faltar gás, de forma geral, ao mercado consumidor, prevê Tonet.

• Protestos afetam transporte de leite e outros alimentos no RS

Segundo dados do Singasul, o trânsito de caminhões de gás na avenida Antônio Frederico Ozanan, em Canoas, que dá acesso à base das seis distribuidoras (Ultragaz, Liquigás, Copagaz, Concigaz, SuperGasBras, e Nacional Gás) está sob bloqueio de caminhoneiros.

Frio eleva consumo em 20%

“Essa interrupção da avenida corta o abastecimento dos distribuidores e dos revendedores, que tem estoques para três dias, no máximo, e em alguns casos, quatro dias”. A situação nesta quarta-feira não é crítica ao consumidor, mas preocupa. Conforme Tonet, “o consumo de gás subiu 20% devido o frio”.

No Rio Grande do Sul cerca de seis mil empresas trabalham na revenda de GLP. O gás às distribuidoras no Estado chega pela Refinaria Alberto Pasqualini (Refap), de Rio Grande até o terminal Niterói, no Guaíba e, por via rodoviária, da Refinaria Presidente Getúlio Vargas (PR).

 

 

www.correiodopovo.com.br


There is no ads to display, Please add some