thumbkkSecretários municipais de 168 cidades gaúchas participam nesta quarta-feira de uma reunião no Centro Administrativo Fernando Ferrari, em Porto Alegre, para discutir medidas de combate ao zika vírus, transmitido pelo mosquito Aedes aegypti. O Rio Grande do Sul tinha cinco casos suspeitos. Três já foram descartados, mas dois seguem sob investigação.

Durante o encontro, a Secretaria Estadual de Saúde elevou o tom na luta contra a doença e contra a dengue (ambas transmitidas pelo Aedes aegypti). “É um problema bem mais sério do que imaginamos”, disse o secretário-adjunto de saúde do Estado, Francisco Paz. “Essa doença está abalando o mundo inteiro porque não tinha atingido esse potencial. Se uma criança nascer com microcefalia ou morrer por dengue, a culpa será também dos gestores”, acrescentou.

O discurso das autoridades é de que a presença do zika vírus é uma situação de calamidade pública. Doze municípios gaúchos – que são responsáveis por 98% dos casos de dengue no Estado em 2015 – são o foco da Secretaria de Saúde do Estado no combate à proliferação do mosquito Aedes aegypti.

De acordo com o secretário estadual de saúde João Gabbardo, o Exército está disponível para auxiliar no combate à dengue no Estado. Neste ano foram registrados 1.258 casos da doença, sendo 1.002 de contágio autóctone (contraídos no Rio Grande do Sul), além de duas mortes (Panambi e Santo Ângelo).

Municípios em alerta:

1. Caibaté
2. Carazinho
3. Erval Seco
4. Giruá
5. Ibirubá
6. Novo Tiradentes
7. Panambi
8. Porto Alegre
9. Redentora
10. Santa Rosa
11. Santo Ângelo
12. Sarandi


There is no ads to display, Please add some