Desde o início do ano letivo a Unicnec tem promovido dezenas de demissões em seus quadros de professores e colaboradores. Algo normal se considerar que instituições particulares promovem a renovação dos quadros no início de cada ano letivo. Mas desde o ano passado há fortes rumores do endividamento da entidade em Osório, desde que passou a ser inteiramente gerida financeiramente pela CNEC nacional. A unidade de Osório era uma das mais rentáveis e suas sobras vinham servindo para cobrir déficits de outras unidades localizadas em outros estados da União nas regiões do Norte e Nordeste.

Segundo as informações de ex-colaboradores a Unidade vinha servindo de garantia de empréstimos tomados junto a instituições financeiras e sendo renovadas quando não quitadas. Em 20 de agosto de 2019 houve a averbação de confissão de dívida no valor superior a R$ 58 milhões sendo que a primeira das 51 parcelas seria paga neste ano no dia primeiro de maio. Além disso também a indisponibilidade dos bens da Unidade de Osório em razão de ações trabalhistas decretada pelo Tribunal Regional do Trabalho 3ª Região da cidade de Paracatu – MG em valor desconhecido. Ver documento anexo da averbação.

Diante dos fatos causados pela pandemia e a suspensão das aulas presenciais aumentou a inadimplência gerando dificuldades ainda maiores para honrar os compromissos mensais e mais os que haviam sido renegociados. Mesmo assim muitos alunos e pais seguiram pagando com as mensalidades para que seguissem as aulas pelo sistema EaD, do qual a Unicnec de Osório centraliza o sistema da instituição a nível nacional.

Já o ensino fundamental iniciou desde o início do mês a demissão de professores de excelente graduação e vinham mantendo as aulas à distância. Com as demissões vários pais de alunos revoltaram-se com a instituição que não realizou nenhum comunicado das mudanças e seguiu com a cobrança das mensalidades, sem a garantia de dar continuidade ao ano letivo com a qualidade que vinha mantendo.

Diante dos fatos, os pais se reuniram para realizar uma manifestação diante da Unicnec para protestar pelas demissões e exigir explicações sobre o andamento do ano letivo. A carreata seguiu por várias ruas da cidade e no entorno da unidade da CNEC de forma a alertar sobre os acontecimentos e que podem inclusive vir a promover o fechamento da unidade ou a venda desta para outra instituição.

O banco credor, bem a como a Justiça do Trabalho de Minas Gerais poderão no caso de inadimplência do empréstimo e não pagamento dos compromissos trabalhistas levar a leilão todo o patrimônio da Unicnec de Osório, obra construída e sonhada pela comunidade e que agora agoniza em problemas financeiros.

POR MEIO DE NOTA, A UNICNEC OSÓRIO SE MANIFESTOU:

“A reestruturação realizada no quadro de professores do Colégio Cenecista Marquês de Herval, apesar de dolorosa, foi necessária e urgente para garantir a sustentabilidade financeira e operacional dos serviços e produtos oferecidos pela rede, que, assim como as demais instituições privadas do país, tem atuado para minimizar os efeitos devastadores e sem precedentes causados pela pandemia do novo coronavírus.

Nesse sentido, a CNEC ressalta que está em negociação constante com os sindicatos de classe, para viabilizar uma solução que atenda a todos e que priorize a manutenção dos serviços educacionais prestados, bem como o maior número possível de postos de trabalho.

Por outro lado, apesar da pandemia, nossos serviços educacionais continuam sendo prestados da melhor forma possível, por meio da metodologia CNEC Home Learning. As aulas, tanto no Ensino Superior, quanto na Educação Básica e Profissionalizante continuam normalmente. É importante destacar que as aulas não sofrerão prejuízos.

Na oportunidade, a Direção/Reitoria reafirma o compromisso pactuado com os alunos, pais e colaboradores de Osório para a prestação de serviços de qualidade e que, sobretudo, cumpram com a missão de formar cidadãos”.

Direção/Reitoria