fabrica_fiatO setor automotivo fechou 108.643 vagas de trabalho em 2015, em um ano de baixa de 26,5% na venda de veículos novos. Segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), o Rio Grande do Sul foi o terceiro estado que mais demitiu trabalhadores do setor. O primeiro foi São Paulo, que concentra a maioria das fabricantes de veículos e que tem mais de 30% da frota do país, e o segundo foi Minas Gerais. As informações são do portal G1.

Segundo a associação das montadoras, a Anfavea, a indústria encerrou o ano passado com 114.336 empregados, o menor número desde 2009, quando teve 109.043. Foi um montante 15,5% inferior ao de 2013, cuja marca de 135.343 empregados foi recorde.

A queda nas vagas seguiu o corte de 22,8% na produção, na comparação com 2014, em um ano marcado por períodos de férias coletivas, planos de demissão voluntária (PDVs) e suspensão temporária de contratos (“layoff”).

Segundo a Anfavea, cerca de 5,1 mil funcionários de montadoras terminaram 2015 afastados de suas funções devido a “layoff” e outros 35,6 mil já estavam ou aguardavam para entrar no PPE, que foi aceito também em montadoras como Volkswagen e Ford e em fornecedores de peças e acessórios para veículos.

GAÚCHA