Um problema comum na Região Metropolitana há pelo menos três anos tem se intensificado nas Delegacias de Polícia (DPs) do Litoral Norte gaúcho.  De acordo com o delegado regional, Heraldo Guerreiro, até esta segunda-feira (30), haviam presos em delegacias nos municípios de Capão da Canoa (5), Torres (5) e Tramandaí (10).

O delegado Guerreiro afirmou que o problema (muito comum durante a Operação Verão) voltou a ocorrer no mês de setembro. Segundo ele, alguns presos chegam a ficar mais de dias detidos nas delegacias interferindo no trabalho da Polícia. “Nos atrapalha em tudo. As delegacias não conseguem trabalhar”, lamenta o delegado.

Um dos principais fatores para que isso ocorra é a superlotação da Penitenciária Modulada Estadual de Osório (PMEO), que tem capacidade para acomodar 650 presos e atualmente conta com uma população presidiária de aproximadamente 1,5 mil detidos. Esse cenário de superlotação dos presídios não é apenas um problema que afeta a penitenciária de Osório. Atualmente o Estado conta com quase 42 mil detentos, tendo um déficit  carcerário de mais de 16,5 vagas.

O governo do RS segue buscando medidas para conseguir resolver essa situação. Nesse ano dois novos presídios devem ser inaugurados. Nesse mês de outubro acontece a inauguração da penitenciária de Novo Hamburgo e em dezembro a de Sapucaia do Sul. Ao todo os dois novos estabelecimentos devem abrigar 420 e 600 presos, respectivamente. Entretanto, o número é muito abaixo das vagas ainda necessitadas. O delegado Guerreiro afirmou ter informado ao governo do Estado a necessidade de um novo presídio no Litoral Norte, porém até agora nada foi especulado.

VALE RESSALTAR

 Nesta segunda-feira  haviam presos em viaturas da Brigada Militar aguardando transferência para delegacias do Litoral. Não foram informados o total de detidos presos nos carros da polícia, mas segundo o delegado Heraldo Guerreiro, todos os presos que se encontravam nessa situação foram retirados e conduzidos as DPs mais próximas.

NO ESTADO

Conforme a Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe) havia 27 presos na Delegacia de Pronto Atendimento de Canoas aguardando transferência nesta segunda. Em Porto Alegre, principal cidade gaúcha afetada com esse problema, todos os presos já foram removidos para prisões da região Metropolitana do Estado.