O prefeito Roger Caputi, juntamente com os secretários Danjo Renê (Saúde) e Dilson Maciel (Educação), realizou uma live nas redes sociais, no início da noite da última quinta-feira (20). Entre os principais temas debatidos estavam à situação da vacinação na cidade e o retorno das aulas presenciais.

Marcada inicialmente para retornar em março, as aulas presenciais no modelo híbrido só voltaram na cidade na última segunda-feira (17), nas escolas municipais com os alunos de educação infantil. Nesta segunda (24), foi à vez dos estudantes da pré-escola. O calendário segue no dia 1º de junho com o retorno dos alunos de 1º a 3º ano do Ensino Fundamental e no dia 21/06 com a volta dos estudantes de 4º a 9º ano do Ensino Fundamental.

Questionado sobre porque o retorno das atividades está ocorrendo de maneira gradativa, o secretário de Educação declarou que uma série de fatores contribui para isso acontecer. Entre eles estão à falta de manutenção de algumas escolas e dos ônibus escolares. Para se ter uma ideia, os veículos chegaram a ficar mais de um ano parados sem serem utilizados devido a pandemia.

De acordo com Dilson, após receberem manutenção, todos os 14 ônibus municipais estão prontos para fazerem o transporte dos alunos, tanto da Rede Municipal quanto Estadual. Outro fator que contribuiu para demora do retorno as aulas foi à falta de professores. Conforme o secretário, até o momento, foram nomeados 54 novos professores. A ideia é chegar entre 80 e 90 profissionais de educação, para conseguir seguir com as aulas. Para Maciel a dificuldade é maior, visto que só há a possibilidade novas nomeações em casos de aposentadoria, óbitos e vacância (vagas desocupadas).

Durante toda a sua fala, Dilson ressaltou toda a preocupação da secretaria com o retorno das aulas presenciais, sempre pensando no cuidado e na segurança dos profissionais de educação e também dos alunos. Segundo o secretário, todas as escolas municipais receberam os Equipamentos de Proteção Individuais (EPIs). Foram instalados tapetes sanitizantes, totens de álcool em gel, dispensers nas salas de aula, entre outros equipamentos. Sem contar a distribuição de face shields e máscaras para os funcionários e professores. “O objetivo é dar segurança aos nossos alunos e se colocar a disposição das escolas, dos professores e de toda comunidades escolar, dando condições que todos possam voltar as suas atividades presenciais”, declarou Dilson Maciel.

VACINAÇÃO PARA OS PROFESSORES

Um tema bastante questionado por toda a comunidade é questão da vacinação dos professores. O prefeito Roger Caputi reiterou que o município está respeitando o Plano Nacional de Imunização (PNI) e, portanto não vai imunizar esse grupo antes da hora. De acordo com o secretário de saúde Danjo Renê, após a vacinação das pessoas com comorbidades vão ser vacinados: As gestantes (com apresentação de laudo médico), pessoas com deficiência sem Benefício de Prestação Continuada (BPC), moradores de rua e, só depois, os profissionais de educação, incluindo professores, secretárias, bibliotecárias, serventes, merendeiras, etc.

PROTOCOLOS E CUIDADOS

Enquanto a vacinação dos professores não começa, está sendo realizada uma série de protocolos nas escolas para evitar uma proliferação do novo coronavírus, o que causaria novamente a suspensão das aulas presenciais. Em caso de algum aluno, professor ou funcionário apresentar algum sintoma da doença (dores de cabeça, garganta, no corpo, coriza, tosse ou espirro, entre outros), a pessoa vai ser levada para uma sala de isolamento.

Na sequência, ela vai ser encaminhada a tenda de triagem da Covid no município, onde vai ser atendida por um médico particular, o qual vai realizar o teste. No caso do resultado der negativo, a pessoa volta para a escola com apresentação de um atestado de liberação. Caso o teste der positivo, a pessoa deve ficar 10 dias afastados até poder retornar a escola. Vale ressaltar que em caso de professores ou alunos infectados pelo vírus, toda a turma acaba tendo que ficar em casa e as atividades para eles passam a ser apenas online, também no período de 10 dias.

Questionado sobre o uso obrigatório de máscaras para as crianças, o secretário Dilson afirmou que a obrigatoriedade é para crianças a partir da Pré-Escola (com quatro anos ou mais). Os alunos com menor idade não precisam utilizar a máscara. Conforme o secretário Danjo, crianças menores de quatro anos têm mais chance de se asfixiar com a máscara do que pegar a Covid. Vale ressaltar que, mesmo as crianças sendo mais resistentes ao novo coronavírus, eles podem servir de hospedeiros, fazendo com que o vírus se prolifere mais rapidamente.

Mesmo com o retorno das aulas presenciais, cabe aos pais ou responsáveis decidirem se os alunos voltam ao não as escolas. Caso optem pela permanência em casa, os estudantes vão seguir realizando atividades de maneira online, por meio da plataforma disponível pela prefeitura. Entretanto, a volta das atividades presenciais vai auxiliar diversos alunos que não possuem acesso a internet e estavam com dificuldades para receber o conteúdo das aulas. É válido destacar que além do conteúdo disponível na plataforma online, as escolas disponibilizam todo o conteúdo impresso para os estudantes que precisarem.

Para finalizar, o secretário de educação voltou a reiterar que a secretaria vai “fazer tudo com calma, de maneira gradativa, aplicando todos os processos para que não haja uma proliferação da Covid-19 e as aulas tenham quer ser suspensas novamente”.

Foto: Divulgação


There is no ads to display, Please add some