A Câmara de Vereadores de Cidreira abriu mais uma Comissão Parlamentar Processante (CPP) contra o prefeito Alex Contini. A abertura da CPP foi realizada durante a Sessão Ordinária de segunda-feira (12), no Plenário Sílvio Silveira Saraiva.

A 8ª Comissão contra o prefeito de Cidreira, essa CPP foi aberta após o recebimento de uma representação do cidadão Dalmo Machado Hausen Neto, a qual cita que Alex Contini estaria, desde 2018, cometendo atitudes ilegais em relação a licitações de empresas. O documento aponta contratos firmados nos últimos quatro anos com a empresa Marta Regina da Silva Almada, onde a prefeitura adquiriu matérias de construção. A representação alega que foram muitos itens adquiridos e que estas compras não teriam sido comprovadas na sua utilização em reformas ou obras e não estariam em estoques.

A nova Comissão é formada por três vereadores do PTB: Evanio Couto Carneiro (presidente), Gilmar da Costa (relator) e Gustavo Calderon (membro). A comissão tem 90 dias para finalizar os trabalhos e apresentar relatório.

Durante as explicações pessoas o vereador Gustavo Calderon disse que as investigações propostas já estão sendo feitas pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI). “Estranho uma CPP com a mesma matéria de uma CPI faltando 30 dias para o término da mesma. Além disso, falamos em economia e um CPP necessita de advogado e temos que contratar e quem paga é o contribuinte. Vamos pagar advogados para investigar uma mesma matéria que já está na casa”, declarou o vereador.

OUTRAS COMISSÕES – Além dessa, estão em andamento outras sete Comissões Parlamentares Processantes e uma CPI.A CPP tem o poder de cassar o mandato do prefeito caso haja elementos que comprovem irregularidades e a maioria dos vereadores assim decida. Vale destacar, que uma das CPPs, a de número 1, teve sua leitura e votação, a qual poderia culminar na cassação do mandato do prefeito Alex Contini, barrada pela Justiça, na semana passada.

Vale ressaltar que, o prefeito de Cidreira, Alex Contini, foi procurado pela nossa equipe para responder sobre as acusações, mas preferiu não se pronunciar.

Foto: Divulgação